abacateabacaxiameixaamoraamora pretaaracaazeitonabananabutiabergamotacaquifigofigo da indiaframboesagoiabaguabirobaguabijukiwilaranjalimãomaçãmamãomangamaracujámarmelomelanciamelãomirtilomorangonectarinanesperanos pecãpêrapêssegoPinhãopitangaromãuva

 

Voltar

O LIMÃO NA AROMATERAPIA

Há mais de 6 mil anos os egípcios já conheciam o poder das substâncias aromáticas e suas influências sobre a saúde do corpo, mente e espírito. Eles faziam maceração de plantas, obtendo óleos para massagens e cuidados com a saúde.

Foram os egípcios que compilaram a primeira farmacopéia que se conhece e, apesar de sua medicina ser impregnada de religiosidade e magia, eles possuíam um pensamento empírico, ou seja, usavam as essências a partir de experiências e do acúmulo de resultados práticos.

No início do século XVI, Paracelso, um médico suíço, considerado o pai da Farmaquímica, estudou a extração do que chamou "alma dos vegetais", recebendo posteriormente o nome de óleo essencial (OE).

Entretanto, os OEs, mais que a "alma dos vegetais", são também impregnados de "aromas" que penetram no Ser via olfato, chegando em milésimos de segundos diretamente ao sistema nervoso central.

Portanto, a Aromaterapia é uma técnica terapêutica que usa como ferramenta de tratamento - em primeiro plano - os estímulos olfativos. Inalar diretamente os aromas indicados para cada caso é a primeira forma de tratamento.

Em segundo plano, a Aromaterapia faz uso dos poderosos ativos contidos nos óleos essenciais, podendo, em casos e óleos especiais, formular sinergias para massagens corporais e para uso interno, como é o caso da Aromatologia.

Aromaterapia é, portanto, a arte e a ciência que usa estes OEs naturais - extraídos de plantas, raízes, frutos, sementes e cascas - em tratamentos terapêuticos de cunho integrativo; ou seja, tais aromas tratam o corpo físico, mas também o emocional, o mental e o espiritual.

Como funcionam os OEs?

Seu efeito pode ser observado simplesmente por inalação ou na aplicação de poucas gotas dissolvidas em óleo vegetal (jamais mineral) aplicados à pele. O nervo responsável pelo olfato tem uma ligação direta com os centros nervosos que controlam a emoção. Por essa razão é a Aromaterapia tem efeito rápido no físico, no mental e no emocional.

Aliás, o efeito terapêutico dos OEs via sistema nervoso central (SNC) costuma ser mais poderoso do que via metabolismo digestivo, motivo pelo qual sua aplicação é, principalmente, pelo olfato e/ou absorção cutânea e, menos comum, pela ingestão.

O Óleo Essencial de Limão na Aromaterapia

Com seu fantástico poder de cura, é previsível que o seu óleo essencial, extraído de suas cascas, faça parte importante do "kit pronto-socorro" da Aromaterapia.

Enquanto o OE de laranja é visto somente como um subproduto da indústria do seu suco, o OE de limão já é visto como um produto de importância maior. No Brasil, todos os OEs cítricos são obtidos pela compressão de suas cascas, mas na Europa existem alguns OEs de limão que são obtidos por arraste de vapor.

Na Europa a casca do limão-siciliano é a mais utilizada para tal extração, enquanto no Brasil cresce o uso do limão-tahiti. O Brasil é o quinto produtor mundial de OE de limão.

Para a obtenção de 1 litro de OE de limão são necessárias as cascas de cerca de 2.500 limões. Trata-se de um líquido oleoso de cor amarela (limão Siciliano) ou esverdeada (limão Tahiti), que apresenta inconfundível e agradável aroma de limões frescos.

O componente químico que predomina (65%) nestes OEs é um aldeído chamado d-limoneno. Mas, na verdade, trata-se de uma mistura natural de diversos monoterpenos, entre eles, cerca de 10-20%, de pinenos e, aproximadamente, 10% de gama-terpineno.

Na Aromaterapia o OE de limão (todas as variedades) é muito requisitado por sua leveza e elevado poder terapêutico. Trata-se de um OE multi-propósito, gerando sinergias alquímicas com vários outros OEs.

O OE de limão é indicado para aliviar todas as tensões da cabeça e mentais, quer se tenha uma dor de cabeça, um resfriado ou a mente exausta. Traz energia, ativa a circulação periférica, sangüínea e linfática, tratando desde a celulite, a desintoxicação interna, periférica, até a temperatura das extremidades como da cabeça, mãos e pés.

Ele é tonificante, diurético, carminativo (elimina gases), digestivo e imuno-estimulante. Adstringente, desodorizante, anti-séptico, antibiótico e cicatrizante. Estimulante e antidepressivo, ao mesmo tempo calmante, sedativo, antiespasmódico e antiesclerótico.

Tônico geral, trata infecções - por ser bactericida e anti-séptico -, intoxicações (tanto renal quanto intestinal), digestão - por ser tônico e depurativo -, obesidade, problemas de pele, cansaços, depressão, câncer, sistema imunológico - ao estimular a produção de leucócitos -, reumatismo, resfriado, gripe e juntas inflamadas.

O OE de limão atua no emocional estimulando o resgate da alegria de viver, pois ativa a consciência e válvulas de escape dos estados de ansiedade, depressão e desânimo; dispersa e refresca confusões emocionais e dúvidas.

Melhora o foco da consciência e da busca do auto-conhecimento, clareando e elevando o intelecto.

Acalma, deixa o emocional mais leve. É um promotor eficaz do positivismo e bom humor, ao interromper situações e pensamentos de má-vontade, negativismo e desistência.

Ativa as atitudes mentais de persistência e determinação.

Encoraja, dá confiança e segurança. Ajuda a abrir o coração, aliviando medos e envolvimentos emocionais. Trabalha, em paralelo, a mágoa oculta ou reprimida.


Fonte: http://www.docelimao.com.br  
Data Edição: 
11/07/07    

Voltar